quarta-feira, 20 de novembro de 2019

BISNETA DE ESCRAVOS ECOA VOZ DE LIBERDADE PARA NOVAS GERAÇÕES, EM PORTEIRAS

Maria de Tiê ou Maria de Luiz é, antes de tudo, Maria. Num costume típico do interior, herdou primeiro o nome do pai, e anos depois, adotou como “sobrenome artístico” o apelido “Tiê” do marido. Mas é como a sua irmã mais nova, Francisca, refere-se a ela, simplesmente por Maria, que a trataremos. As duas têm uma diferença de três anos, já contando seis décadas a mais velha, porém a afinidade entre elas é tamanha que parecem ter nascido no mesmo dia, horário e lugar.

Nativas do Sítio Vassourinha, em Porteiras, descendem de um bisavô cuja história ajudou a definir o que são: negras e quilombolas. Raimundo Valentim de Souza fugiu do trabalho escravo, nos engenhos pernambucanos, e encontrou a liberdade na Chapada do Araripe. Lá, constituiu família e transmitiu saberes que as bisnetas reproduzem hoje na comunidade que leva seu sobrenome, o Quilombo de Souza. "Eu ainda conheci ele. Era um velhinho, baixinho, moreninho. Ainda tenho uma lembrança dele. Uma tia ensinava catecismo na casa de nosso bisavô, e quando chegava lá, ele pegava uma latinha, enchia de leite e aí nós ficava bem satisfeitinha, tomando leite que o ‘pai da rodagem’, como a gente o chamava, dava pra nós”, conta Maria.

Depois dele, vieram o avô, Manoel Raimundo de Souza, e o pai, Luiz Manoel de Souza, atuantes nos movimentos de banda cabaçal, reisado, dança do coco e maneiro-pau. Ainda na infância, Maria os acompanhava nas noites enluaradas, e participava de todas as atividades culturais que costumavam realizar após os bingos. Aprendeu a dançar, cantar e tocar instrumentos percussivos como tambor, pandeiro e ganzá.

“Por meu pai ser uma pessoa muito cultural, todo mundo gostava dele. Foi pela sua influência que eu resgatei aquilo que tava enterrado, que o povo já tava esquecendo, que eu fui atrás, trouxe e insisti”, destaca a filha que, em 2019, recebeu o reconhecimento estadual como mestra da cultura pelo Edital dos Tesouros Vivos.
 










Ao lado de familiares e membros da comunidade, Maria de Tiê ecoa: “o grito é das mulheres, mas os direitos são para todos”.Foto: Helene Santos

Com o passar do tempo, Maria se viu herdeira desses saberes ancestrais e percebeu que cabia a ela salvaguardar o que aprendeu com seus antepassados. A certificação do quilombo pela Fundação Cultural Palmares, em 2005, incentivou-lhe a dar os primeiros passos: “Foi daí que eu levei em frente. Chamei o povo da comunidade, fomos ensaiar, lembrar aquelas cantigas, aquelas toadas que se cantava pra trás, e aí foi chegando aquela energia. Eu resgatei tudo que meu pai deixou e fiz as minhas também”, diz.
Identidade
 
Assumir-se quilombola, porém, não foi tarefa simples. Maria encarou a face mais cruel do preconceito nesse processo de autoidentificação. “Muitos achavam que era uma coisa ruim, criminosa. Tinha até gente do próprio sangue, que não se aceitava porque tinha vergonha. Eu não tive vergonha. Cheguei junto e disse: bote meu nome aí e diga que eu sou quilombola, porque eu sou filha de Luiz Manoel de Souza. Se é porque nós somos ‘de Souza’, negro, branco ou marrom, eu sou, eu aceito que sou”, enfatiza.

"Muitos achavam que era uma coisa ruim, criminosa. Tinha até gente do próprio sangue, que não se aceitava porque tinha vergonha. Eu não tive vergonha. Cheguei junto e disse: bote meu nome aí e diga que eu sou quilombola"

Não tivesse tomado essa afirmação para si, acredita que nada mais existiria hoje, “se acabava”. O envolvimento político com a causa a levou, inclusive, a criar uma Associação Comunitária e presidi-la, entre 2013 e 2018. À frente dessa organização, trouxe uma das maiores conquistas para a localidade: mais de 200 casas construídas pelo programa habitacional do Governo Federal Minha Casa Minha Vida.

“Chegaram aqui atrás de mim, perguntando se eu tinha coragem de ir a Itapipoca (onde aconteceria uma solenidade de entrega de unidades) para trazer essas casas, porque se eu fosse lá e provasse como aqui na comunidade de Porteiras tinha quilombola, a gente recebia. E as primeiras 50 seriam nossas, como prioridade. Arrumei seis ‘pareias’ de quilombolas pra mostrar pra presidente Dilma, fiz uma música pedindo casa de tijolo e conseguimos”, conta Maria.

Liderar esse processo representou muitos desafios. Afinal, trabalhar em comunidade sempre é difícil. Houve quem achasse que a presidente do quilombo estava priorizando uns em detrimento de outros nas etapas de construção das casas. Disseram até que Maria poderia estar ganhando dinheiro com isso. E ainda ouviu de algumas mulheres ofensas por sua cor.

Nessas horas, só a irmã Francisca a acalmava. As palavras dela funcionavam como um grito de guerra para erguer Maria. “Você não vai parar. Erga sua cabeça, pense bem e lute pelo que você já começou. Uma tradição que já veio de nosso pai, e que você teve coragem de enfrentar, que outro não teve. Não é agora que você vai desistir”, orienta assim a inseparável irmã, sempre que se faz preciso.

  Tradição
 
Envolver-se mais com a cultura e menos com a política também foi uma válvula de escape para Maria. No terreiro de casa, todo enfeitado com bandeirinhas de São João, ela reúne com frequência um grupo de 20 meninas das proximidades, todas com menos de 16 anos, para dançar coco, maneiro-pau, tocar instrumentos, cantar toadas e até fazer bonecas de pano negras de modo artesanal.
Sua filha mais nova, Cícera Vitória, de 12 anos, é uma das que acompanha a mãe nessa atividade. E, apesar da timidez, carrega a mesma força e habilidade da matriarca, que cobra dela uma postura que os outros oito irmãos não tiveram. “Já aprendi as músicas, danço, toco pandeiro e tambor”, orgulha-se a garota.
 
                                                           Meninas dançam coco, maneiro-pau, tocam instrumentos e cantam toadasFoto: Helene Santos
As colegas de vizinhança e de escola seguem no mesmo caminho, apesar de não contarem com a “professora” 24 horas por dia. “Mas essas meninas me dão trabalho, viu?”, brinca Maria com aquilo que fica evidente nas poucas horas de um ensaio.

O florescer da juventude vem acompanhado também da descoberta delas como quilombolas. E é preciso ser firme para que não escondam a própria identidade nem as características.
“O cabelo tem que ser volumoso mesmo. Nós temos que ser o que nós somos”, orienta a mestra em uma das lições diárias de pertencimento à raça.

Além do projeto com crianças e adolescentes, Maria comanda um grupo de coco com os mais velhos. “Os idosos estão renovando, mais idade, mais força. Esse povo dança, dança, dança e não cansa não.  Mas tá certo, porque no tempo de meu pai, era a noite toda. Nossa brincadeira é saúde. Você tá doente da coluna, aí quando dá uma pisada, vai e não quer mais parar. O suor bate”, percebe.
 
O florescer da juventude vem acompanhado também da descoberta delas como quilombolas. E é preciso ser firme para que não escondam a própria identidade nem as características.Foto: Helene Santos

A mestra reconhece, porém, que nem todos têm o desejo de perpetuar a tradição como ela. “Tem gente que diz: ‘não vou dançar coco mais não. Povo vem, tira foto, pra quê? Não tô ganhando nada’. Aí eu digo: ‘minha gente, dinheiro é bom, que a gente só faz viagem com dinheiro, mas não tem coisa melhor do que o conhecimento’”, argumenta.

Maria entende ser preciso articulação para conquistar aquilo que se almeja. E, nesse sentido, faz planos a fim de conseguir novos projetos para os grupos de cultura que coordena, uma sede para a Associação Quilombola, da qual hoje é vice-presidente, e um espaço para ser casa de memória da comunidade.

“Eu tenho fé em Deus e em Nossa Senhora Aparecida, que é pretinha como eu. Ela vai mostrar um caminho para eu dar as coisas pro meu povo”, diz. As respostas, não restam dúvidas, logo chegarão, afinal, como ela mesma diz: “o grito é das mulheres, mas os direitos são para todos”.
 
O terreiro todo enfeitado com bandeirinhas de São João, Maria de Tiê veste manta com a imagem de Nossa Senhora AparecidaFoto: Helene Santos

   Fonte: Diário do Nordeste


RÁDIO CBN CARIRI CELEBRA UM ANO DE EXISTÊNCIA COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL

                                                                    Inauguração da rádio CBN Cariri (Foto: Allan Bastos/ especial para O Povo )

A Rádio O Povo CBN Cariri celebra um ano nesta quarta-feira, 20, com uma programação especial e comemorativa. Às 9 horas, o programa O Povo no Rádio será transmitido simultaneamente para as Regiões Metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. Já o Debates do Povo, às 11 horas, muda de local e será apresentado direto do Cariri. Entrevistas exclusivas no O Povo Economia e Revista O Povo marcam a celebração da chegada da primeira rádio "all news" na região.

No comando do Debates O Povo, o jornalista e radialista Farias Júnior ressalta a importância da conexão entre as duas regiões. "Nós elaboramos uma programão especial com convidados, formadores de opinião e estudiosos de diversas áreas. Essa inversão de papeis vai reforçar a nossa marca de ser a voz Cariri e ser palco dos debates", afirma. Farias destacou o pioneirismo de entrevistar todos os pré-candidatos às prefeituras do Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha. "Entrevistas e debates elaborados e transmitidos  na CBN Cariri têm sido assuntos de debates políticos e sociais", acrescentou o jornalista.

Abordar assuntos como ecoturismo, cultura, religiosidade e economia é parte da celebração de um ano da rádio, mas também uma antecipação dos 10 anos da criação da Região Metropolitana do Cariri, que vai mobilizar os diversos espaços sociopolíticos do local. Entre os entrevistados da semana, estão o secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação de Juazeiro do Norte, Michel Araújo e o professor e historiador, Renato Casimiro.

A grade diária da CBN Cariri inclui uma programação local e também uma conexão estadual e nacional com notícias sobre os bastidores do poder, economia e politica.

Fonte: O Povo

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

PORTEIRAS E MISSÃO VELHA DECIDEM TÍTULO DA REGIONAL DO CARIRI DO INTERMUNICIPAL NESTE SÁBADO, 16

O grande dia está próximo! Amanhã, 16, a partir das 16h no estádio o Dantão em Missão Velha, a bola vai rolar para a grande final da regional do Cariri pelo Campeonato Intermunicipal masculino. As seleções de Missão Velha e Porteiras vão medir forças na disputa pelo título de campeão do Cariri.


No jogo de ida, 1 a 1, o que deixa a final aberta, quem vencer conquista o título e se persistir o empate, a decisão vai para os pênaltis. A entrada é gratuita e toda a comunidade desportista caririense está convidada para prestigiar esta grande partida.

Fonte: Show de bola Cariri


quinta-feira, 14 de novembro de 2019

WELINGTON LANDIM - HOJE COMPLETARIA 64 ANOS DE VIDA

O deputado estadual Welington Landim se estivesse vivo completaria 64 anos de idade. O parlamentar morreu vítima de meningite bacteriana aos 59 anos no dia 9 de junho de 2015, na UTI do Hospital São Mateus em Fortaleza.


Welington Landim era médico e foi presidente da Assembleia Legislativa do ceará entre 1999 e 2002.

A missa acontecerá na Igreja Matriz de São Francisco à partir das 19h, com a Caravana da Misericórdia celebrada pelo Padre Monteiro e contará com adoração ao Santíssimo Sacramento, Santa Missa e Show com MDM Filhos Amados do Céu.

Fonte: Blog Mateus Silva

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

DIVULGADO O GABARITO DO ENEM 2019

O gabarito do Enem 2019 foi divulgado na tarde/noite desta quarta-feira (13) no site oficial e app oficial do exame e no site do Inep. Além das folhas de resposta, o instituto ligado ao Ministério da Educação também divulgou os cadernos de questões para os mais de 3,9 milhões de estudantes que fizeram as provas nos dias 3 e 10 de novembro.
Confira a sua nota no Enem 2019 clicando no gabarito correspondente à cor da sua prova:

PRIMEIRO DIA
Gabarito: primeiro dia, prova azul do Enem 2019
Gabarito: primeiro dia, prova amarela do Enem 2019
Gabarito: primeiro dia, prova branca do Enem 2019
Gabarito primeiro dia, prova rosa do Enem 2019

SEGUNDO DIA
Gabarito: segundo dia, prova cinza do Enem 2019
Gabarito: segundo dia, prova rosa do Enem 2019
Gabarito: segundo dia, prova azul do Enem 2019
Gabarito: segundo dia, prova amarela do Enem 2019


Clique aqui para acessar os demais cadernos

Agora que o gabarito e os cadernos de questões foram divulgados, o Enem passará por mais três etapas:
Janeiro de 2020: divulgação dos resultados individuais
Março de 2020: divulgação dos resultados individuais dos "treineiros"
Março de 2020: divulgação da vista pedagógica da redação
A nota do Enem pode ser utilizada para entrar em várias instituições de ensino superior no Sistema de Seleção Unificado (Sisu). Além disso, a prova também vale para algumas instituições em Portugal e programas de financiamento de estudantes como o Fies e Prouni.
A correção da prova é feita por uma metodologia chamada Teoria das Respostas do Item. Ela leva em consideração diferentes pesos para cada uma das questões de acordo com a complexidade. Por isso, é difícil que o aluno saiba exatamente a sua nota somente pelo gabarito. Contudo, a conferência das questões ajuda a medir o desempenho.
Fonte: Inep


sexta-feira, 8 de novembro de 2019

LULA DEIXA A PRISÃO EM CURITIBA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi solto na tarde desta sexta-feira (8), após 580 dias preso na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba.

A soltura do ex-presidente ocorreu um dia após o Supremo Tribunal Federal ter decidido, por 6 votos a 5, que um condenado só pode ser preso após o trânsito em julgado (o fim dos recursos), Isso alterou a jurisprudência que, desde 2016, tem permitido a prisão logo após a condenação em segunda instância.

"Vocês não têm dimensão do significado de eu estar aqui junto com vocês. A vida inteira tive conversando com o povo brasileiro, eu não pensei que, no dia de hoje, eu poderia estar aqui conversando com homens e mulheres que durante 580 dias gritaram 'bom dia, Lula', 'boa tarde, Lula', 'boa noite, Lula', debaixo de sol e chuva. Vocês são o alimento da democracia", disse Lula no primeiro discurso público após deixar a prisão, na frente da sede da Polícia Federal em Curitiba.
A decisão do Supremo, uma das mais esperadas dos últimos anos, tem potencial de beneficiar cerca de 5.000 presos, segundo o CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O Brasil tem, no total, aproximadamente 800 mil presos.

A soltura foi determinada pelo juiz federal Danilo Pereira Junior. A decisão foi publicada às 16h15.

Lula estava preso desde o dia 7 abril de 2018 em uma cela especial da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. O local mede 15 metros quadrados, tem banheiro e fica isolado no último andar do prédio. Ele não teve contato com outros presos, que vivem na carceragem, no primeiro andar.

A pena de Lula foi definida pelo Superior Tribunal de Justiça em 8 anos, 10 meses e 20 dias. O petista foi condenado sob a acusação de aceitar a propriedade de um tríplex, em Guarujá, como propina paga pela OAS em troca de três contratos com a Petrobras, o que ele sempre negou.

O caso ainda tem recursos finais pendentes nessa instância antes de ser remetido para o STF. O Supremo, porém, pode anular todo o processo sob argumento de que o juiz responsável pela condenação, Sergio Moro, não tinha a imparcialidade necessária para julgar o petista naquela situação. Mas ainda não há data marcada para que esse pedido seja analisado.

Além do caso tríplex, Lula foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem no caso do sítio de Atibaia (SP). Essa condenação também pode ser anulada porque a defesa apresentou suas considerações finais no processo no mesmo prazo de réus delatores.

O ex-presidente ainda é réu em outros processos na Justiça Federal em São Paulo, Curitiba e Brasília. Com exceção de um dos casos, relativo à Odebrecht no Paraná, as demais ações não têm perspectiva de serem sentenciadas em breve.

Na prisão, o ex-presidente enfrentou três perdas: a morte do amigo Sigmaringa Seixas, advogado e ex-deputado petista, do irmão mais velho, Genival Inácio da Silva, o Vavá, e de Arthur, 7, seu neto.

No caso de Vavá, o petista se manteve firme, apesar do luto e da novela que se transformou o pedido de autorização para que ele fosse ao velório do irmão, vitimado por um câncer. A juíza Carolina Lebbos, que regula o cumprimento da pena de Lula, negou o pedido. Quando o presidente do STF, Dias Toffoli, deu a autorização, o corpo estava prestes a ser sepultado. Lula não se despediu do irmão morto.

No caso de Arthur, a autorização a Lula foi dada no mesmo dia e ele embarcou em direção a São Paulo.

Na PF, o dormitório, antes usado por policiais em viagem, não tinha grades e se resumia a banheiro, armário, mesa com quatro cadeiras, esteira ergométrica e um aparelho de TV com entrada USB e que só sintoniza canais abertos.

Durante a semana, na parte da manhã, conversava por uma hora com o advogado Luiz Carlos da Rocha, o Rochinha. Na parte da tarde, falava com Manoel Caetano pelo mesmo período. Todo o resto do tempo permanecia isolado dentro do quarto.
 
                                                                     Foto: AFP
Às quintas-feiras recebia parentes, à tarde, e dois amigos, geralmente políticos, pela manhã. Ele saia três vezes por semana para o banho de sol. Circulava num pequeno espaço de 40 metros quadrados onde antes funcionava um fumódromo, no terceiro andar.

Até janeiro, Lula recebia líderes religiosos, mas a juíza Carolina Lebbos proibiu esses encontros, apesar de a Lei de Execução Penal prever o direito à assistência religiosa. No lugar haveria uma consulta com um capelão da própria PF, mas isso não aconteceu.

Lula acordava sempre antes 7h. Ouvia o "bom dia, presidente", gritado por militantes do acampamento Lula Livre, que fica num terreno em frente à PF. Às 8h, o agente Chastalo destrancava a porta do quarto. Invariavelmente encontra Lula vestido com uma camisa do PT ou do Corinthians.

Três vezes por semana o agente media o índice de glicemia no sangue do ex-presidente, que é pré-diabético. O glicosímetro que Chastalo usa, uma maquininha dessas de furar o dedo e que é vendida em farmácias, foi dado pelos familiares do petista.

Na prisão, andava na esteira quase todo dia e ganhava elásticos de ginástica para fortalecer braços e pernas. Lula tinha na cabeça sequências de exercícios que seu personal trainer, Márcio, passava quando estava livre. Mas contava com dicas dos agentes quando faz algo errado. Quando algum deles via que ele fazia um movimento repetitivo que pode causar uma lesão, trata de corrigir os movimentos e a postura do petista.

Nas eleições do ano passado, a cela virou escritório político. O presidenciável Fernando Haddad e outros petistas com diploma de advogado, como o ex-deputado Wadih Damous e o ex-prefeito de Osasco Emídio de Souza, receberam procuração para defendê-lo em seus processos. Com isso, podiam encontrá-lo fora dos dias de visita a pretexto de cuidar de sua defesa.

Lula sentava-se à mesa com os petistas e discutia estratégias. Animou-se com as chances de Haddad depois dos protestos "Ele não" pelo país. Achava que a rejeição de Jair Bolsonaro (PSL) poderia crescer, e a do PT ir no sentido contrário.

No segundo turno, porém, Lula desanimou quando soube que os marqueteiros petistas haviam decidido descolar a imagem de Haddad da dele. Não houve mais encontros com o presidenciável, e ele viu pela televisão a candidatura de Haddad naufragar.

Fonte: Diário do Nordeste

JUAZEIRO CELEBRA 50 ANOS DA ESTÁTUA DE PADRE CÍCERO COM SESSÃO SOLENE DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA NO MEMORIAL

Com a presença de 18 parlamentares,  a Assembleia Legislativa celebrou, durante sessão solene realizada nesta sexta-feira (8), em Juazeiro do Norte, os 50 anos da inauguração da estátua do padre Cícero no município. Propositor do evento, o deputado Fernando Santana (PT) destacou que o monumento é um símbolo de fé e de oração para o povo do Cariri.
“Estamos aqui homenageando diversas personalidades que, cada uma em seu trabalho, propagam o nome do padre Cícero, que é um impulsor do desenvolvimento econômico cearense, especialmente aqui no Cariri”, ressaltou Fernando Santana.

Dentre os 32 homenageados na solenidade, foram agraciados com lembranças alusivas à data o governador do Estado, Camilo Santana; o ex-governador do Estado coronel Adauto Bezerra; o prefeito de Juazeiro do Norte, José Arnon Bezerra; o ex-senador Eunício Oliveira; o senador Cid Gomes (PDT); o deputado federal José Guimarães, o bispo da Diocese de Crato, Dom Gilberto Pastana de Oliveira, e a artista plástica e guardiã da Memória de Juazeiro do Norte, Maria Assunção Gonçalves (in memoriam).

Em nome dos homenageados, o prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, expressou gratidão ao receber a celebração do Poder Legislativo Estadual.

“É um momento de grande alegria, honra e que nos enche de orgulho celebrar junto ao Poder Legislativo a figura do padre Cícero. Aproveito para anunciar que os festejos comemorativos ao padre só terminarão em dezembro, homenageando a Igreja de Juazeiro do Norte”, registrou o prefeito.   

Estiveram presentes ainda durante a sessão os deputados estaduais Marcos Sobreira (PDT), Acrísio Sena (PT), Augusta Brito (PCdoB), Nezinho Farias (PDT), Nizo Costa (PSB), Carlos Felipe (PCdoB), Nelinho (PSDB), Érika Amorim (PSD), Leonardo Araújo (MDB), Edilardo Eufrásio (MDB), Sérgio Aguiar (PDT), Queiroz Filho (PDT), Walter Cavalcante (MDB), Elmano Freitas (PT), Davi de Raimundão (MDB) e Fernanda Pessoa (PSDB).

Também participaram os deputados federais Roberto Pessoa (PSDB/CE), José Guimarães (PT/CE) e Pedro Bezerra (PTB/CE), além de outras autoridades.

 Fonte: Flávio Pinto News


quinta-feira, 7 de novembro de 2019

BANCADA DO CARIRI DEFENDERÁ MAIS SAÚDE E EMPREGOS NA SESSÃO DA ASSEMBLEIA EM JUAZEIRO

A defesa de melhorias na área da saúde e a atração de investimentos que possam gerar emprego e renda com o fortalecimento das cadeias produtivas será o norte da bancada do Cariri na Assembleia Legislativa. Os temas foram definidos no encontro que reuniu os deputados estaduais Davi de Raimundão, Fernando Santana e Guilherme Landim.

É que o poder legislativo cearense fará reunião itinerante com caráter solene pelos 50 anos da inauguração do monumento em homenagem ao Padre Cícero na manhã desta sexta-feira (8) no Memorial Padre Cícero em Juazeiro.

O deputado Davi de Raimundão aproveitou para convidar autoridades do Cariri e a sociedade regional no sentido de prestigiar o encontro dos parlamentares cearenses na região.

Para ele, a estátua do sacerdote se constituiu numa obra de grande importância na direção de fomentar o turismo religioso em Juazeiro. Nesse contexto, Davi chama a atenção para a larga visão que teve o então prefeito Mauro Sampaio na construção do monumento numa época de parcos recursos. Segundo o mesmo, a sessão da assembleia servirá, também, para aproximar o poder legislativo da população caririense.

Fonte: Flávio Pinto News

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

DIA DO ROMEIRO: ESTÁTUA DO PADRE CÍCERO COMPLETA 50 ANOS

Inaugurada em 1º de novembro de 1969, a estátua do padre Cícero completa 50 décadas nesta sexta-feira. Localizada na Colina do Horto, em Juazeiro do Norte, a construção se tornou marca registrada na Cidade e fonte de turismo para a região.

O monumento de 27 metros de madeira e gesso começou a ser pensado em 1967. Hoje, turistas de diversos locais se deslocam até Juazeiro do Norte apenas para ver “Padim Ciço” de perto. Além da estátua, o Museu Vivo do Padre Cícero e a igreja na localidade fazem parte da experiência de quem visita a cidade no Cariri.

Calculada pelo engenheiro Rômulo Ayres Montenegro, a construção também recebeu a contribuição de Jaime Magalhães, um corretor de imóveis que aumentou o tamanho inicial de sete metros para o que se conhece hoje.

HISTÓRIA DO PADRE CÍCERO

Embora hoje seja conhecido pela sua atuação na Igreja, antes disso padre Cícero chegou a se envolver com política. Ele fez parte do Partido Republicano Conservador (PRC) e trabalhou como prefeito na cidade de Juazeiro do Norte, sendo o primeiro a ocupar o cargo.

Sobre o assunto
Estátua de Padre Cícero completa 50 anos. Festas em Juazeiro vão até 28 de novembro
Romaria de Finados, em Juazeiro do Norte, deve receber 500 mil fieis até o próximo sábado

Apesar da experiência, foi mesmo pelo milagre da hóstia que padre Cícero é lembrado até hoje. Após colocar a hóstia na boca da beata Maria de Araújo, o padre percebeu que ela havia se transformado em sangue.

TURISMO
Todo o turismo da cidade cresceu em cima disso. Hoje, milhares de pessoas se deslocam para visitar anualmente em todo 1º de novembro e participar dos festejos religiosos na cidade.
O dia 1º de novembro é o Dia do Romeiro, data em que as pessoas se deslocam até a estátua. Devotos de todo o Nordeste se reúnem parar orar sob a estátua e realizar o famoso aceno de chapéus de falha, gesto representa a forma como o padre cumprimentava as pessoas.

Vídeo disponível no Youtube mostra a construção da estátua:
https://www.youtube.com/watch?time_continue=56&v=a4YbtebBhMM

 Fonte: O Povo

ESCRITORA FÁTIMA TELES TOMOU POSSE NO INSTITUTO CULTURAL DO VALE CARIRIENSE ICVC

No dia 24 de outubro do corrente ano foi celebrado o aniversário de 45 anos do Instituto Cultural do Vale Caririense ICVC em Juazeiro do Norte. Na ocasião tomaram posse os novos sócios efetivos.

A Escritora brejosantense  Fátima Teles tomou posse com a cadeira n 95 , tendo como Patrono o Artista Plástico Karimai.

Como forma de homenagem ao seu patrono, Fátima Teles recitou um poema de sua autoria em seu discurso de posse.

A  Instituição atualmente é presidida pela Cordelista Rosário Lustosa.

 veja o poema feito pela escritora em homenagem a Karimai que foi seu  Patrono no Instituto Cultural do vale Caririense ICVC, por ocasião de minha posse.


Hoje estou no Juazeiro
Que linda oportunidade
Posse no ICVC
É minha felicidade
Grande casa de cultura
Da nossa maior Cidade

O Vale Caririense
Padim Ciço abençoou
Sua Cidade e o horto
Foi Karimai quem pintou
Suas mãos espirituais
Muitas telas iluminou

Sonho que se sonha só
É pura imaginação
O sonho pensado junto
Vai pra realização
Karimai sonhou comigo
Pois ouviu meu coração

Nesses dois mil e dezenove
Quis me homenagear
Foi o ano da colheita
Houve o tempo de plantar
Nestes meus cinquenta anos
Que estou a completar

Meu patrono grande artista
Foi um ser iluminado
E agora lá do céu
É um espírito irmanados
Emanando inspiração
Eis aí o seu recado

Em dois mil e dez partiu
Foi morar no céu astral
Mas deixou o seu legado
Artes plásticas sem igual
Hoje pinta o horizonte
E aqui é imortal

Sua tela sobre o horto
Dele é a mais bonita
Foi seis meses pra pintar
Numa beleza infinita
Uma bela obra de arte
Sua tela favorita

Essa Instituição
É de muita importância
Pois eleva o Cariri
Encurtando a distância
Rosário na Presidência
É de muita relevância

Fátima Teles